Jennifer Aniston à Marie Claire Americana

14 May 2019 17:26
Tags

Back to list of posts

<h1>Tipos E Informa&ccedil;&otilde;es Com o intuito de Ele Crescer Ligeiro!</h1>

<p>Foi um susto, tipo morte s&uacute;bita, a not&iacute;cia do encerramento da revista Elle pelo grupo Abril nessa segunda, 6, aborrecido pra moda nacional. Regina Guerreiro, que foi diretora de reda&ccedil;&atilde;o da revista em meados dos anos 1990. &quot;Estou chocado, nem sequer sei o que dizer&quot;, diz o beauty-artist Daniel Hernandez, boquiaberto com a not&iacute;cia pela reportagem. Adriana Bozon, diretora criativa da Ellus. Lenita Assef, que trabalhou pela revista desde teu n&uacute;mero zero e bem como foi diretora ali. Limpeza E Cuidados Com A Pele Do Rosto , a Elle &eacute; uma das mais relevantes publica&ccedil;&otilde;es de moda do Povo.</p>

<p>Pelas suas p&aacute;ginas passaram grandes modelos, nomes da fotografia, do jornalismo, do tipo e do mercado de moda como um todo. 50 / 60 Min por mais de um milh&atilde;o de pessoas no Instagram, vivia um excelente momento editorial, utilizando a moda como instrumento para tratar de pautas s&eacute;rias, como perguntas de sustentabilidade, notabilidade racial e LGBT e plus size. Andr&eacute; Hidalgo, diretor da Resid&ecirc;ncia de Criadores.</p>

<p>No entanto a pesada cortina separa o leitor do resto do mundo — do que &eacute; mundano (frase esta que, bem que desgastada, aplica-se aqui com justeza). Como se compara com a conduta e os valores inerentes &agrave; tela de Chardin de 1734? O assunto da cortesia, do encontro cerimonioso do leitor com o livro, impl&iacute;cito pela forma como se veste o philosophe de Chardin, parece agora t&atilde;o remoto a ponto de ser quase inimagin&aacute;vel.</p>

<p>Se ainda encontramos algo parecido com isto, &eacute; s&oacute; em cerim&ocirc;nias rituais, inevitavelmente arcaicas, como a leitura de um trecho da B&iacute;blia na igreja ou o solene acesso &agrave; Tor&aacute;, com a cabe&ccedil;a coberta, pela sinagoga. Informalidade &eacute; o nosso mote — embora haja interessante dose de verdade na observa&ccedil;&atilde;o mordaz de Mencken de que muitos dos que se julgam despidos de tradi&ccedil;&otilde;es t&ecirc;m somente tuas roupas desbotadas.</p>

<p>Bem mais radical e significativa com o foco de inibir tua apreens&atilde;o adequada &eacute; a modifica&ccedil;&atilde;o dos valores relativos &agrave; temporalidade que a ampulheta, o f&oacute;lio e a caveira representam pela tela de Chardin. Conhe&ccedil;a As 4 Doen&ccedil;as Que Conseguem Ser Causadas Por Trabalho em excesso “the posthumous way”; o poeta n&atilde;o se diz &agrave; voie sacr&eacute;e conducente ao Parnaso, que o poeta cl&aacute;ssico demarca pra tua obra e, por emocionada infer&ecirc;ncia, para si mesmo. “The gas of the pyramid-builders” permite — na realidade, sugere — uma an&aacute;lise vulgar: “os ares de importancia que se atribuem os que erigem pir&acirc;mides”, tua grandiloqu&ecirc;ncia vazia.</p>

<ul>

<li>Evite novas bebidas &aacute;lcoolicas</li>

<li>A competi&ccedil;&atilde;o contra o mosquito</li>

<li>Pincel pra blush, que vai ajudar assim como pra aplicar o iluminador e fazer contorno</li>

[[image http://114.syscall.ws/static_img/114/resize-0x0_home-cabelo.png&quot;/&gt;

<li>Proteja a pele</li>

</ul>

<p>What must I do? Ningu&eacute;m lhe d&aacute; aten&ccedil;&atilde;o. O que devo fazer? Essa senten&ccedil;a desoladora, &eacute; claro, pertence a Keats. Todavia foi recha&ccedil;ada prontamente por Shelley, convicto que estava da imortalidade em Adonai, atitude essa que o respectivo Keats esperava e, de certa maneira, contava com ela. Hoje em dia tais discord&acirc;ncias parecem n&atilde;o mais se aguentar, n&atilde;o t&ecirc;m significado (“the gas of the pyramid-builders”). O leitor tamb&eacute;m reage com a ironia dessa decad&ecirc;ncia. O fen&ocirc;meno liter&aacute;rio em nossa &eacute;poca &eacute; difuso e irreverente.</p>

<p>De imediato n&atilde;o &eacute; mais uma conduta natural buscar em um livro a dire&ccedil;&atilde;o que se buscava em um or&aacute;culo. Desconfiamos do que se prop&otilde;e como auctoritas — do texto que &eacute; a pr&oacute;pria ess&ecirc;ncia da autoria cl&aacute;ssica autorit&aacute;ria — propriamente em raz&atilde;o de ele aspira &agrave; imutabilidade. N&atilde;o fomos n&oacute;s que escrevemos aquele livro. At&eacute; j&aacute; o encontro mais violento, mais penetrante, com o texto constitui uma experi&ecirc;ncia vic&aacute;ria.</p>

Comments: 0

Add a New Comment

Unless otherwise stated, the content of this page is licensed under Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 License